Textos

A UM POETA
A grande Avenida
Não deixa margem a dúvidas.
Nada fica intacto
Diante do concreto rude.
A visão, o tato, o olfato,
Tudo anestesiado
Pelo asfalto urbano.

De repente, o inesperado.
Surge um poeta
E me oferece seus poemas
A troco de nada.
Suas “Flores desorientadas”
São como dádivas
Na Pauliceia Desvairada.

Naquele momento,
Meus olhos cegados
De fuligem e fumaça,
Veem desabrochar uma flor
Na grande selva de concreto.

Entro em estado de graça.
Saio do torpor.
Meus olhos
Se enchem de cor.
Viva a poesia!
Mari Watanabe
Enviado por Mari Watanabe em 22/02/2018
Alterado em 22/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr